Mãe e filho sofrem agressões com barra de ferro por vizinho, em São Luís

Com uma barra de ferro. Foi assim que o comerciante Antonio de Padua Pereira da Silva, de 68 anos, agrediu mãe e filho na tarde do último sábado (20) no bairro da Camboa, em São Luís. O fato aconteceu após o estudante Danilo Santos, de 19 anos, tentar defender a mãe, Clenilde de Jesus Santos, de 53 anos, de agressões físicas por parte da filha do agressor e seu namorado.

O fato aconteceu quando Clenilde de Jesus Santos chegou em sua casa e tentou estacionar seu carro na garagem, ficando impossibilitada por um carro que ocupava parte da entrada. Ela teria indagado aos moradores a quem pertencia o veículo, mas ninguém se pronunciou.

Após esperar e perceber que o dono do veículo era o namorado da filha do vizinho, identificado como Rafael Alberto Fonseca Veloso, de 26 anos, Clenilde Santos teria indagado o porquê de eles não terem se manifestado, já que estavam na porta familiares que sabiam a quem pertencia o carro. A partir daí começaram as agressões verbais e tentativas de agressões físicas contra ela.

“Eu perguntei porque eles não disseram nada, aí eles saíram do carro e partiram pra cima de mim me xingando e tentando dar tapas em meu rosto. Até me encurralaram na porta da minha residência, onde eu estava esperando para colocar o carro pra dentro”, relatou Clenilde Santos.

Percebendo o barulho e as tentativas de agressões contra sua mãe, Danilo Santos teria empurrado Rafael Veloso (foto) e sua namorada, a estudante Ana Paula Almeida da Silva (foto), de 21 anos. Nesse momento que o pai dela, com uma barra de ferro, agrediu Danilo Santos na cabeça, provocando um grave ferimento que fez com que ele perdesse muito sangue ainda no local.

“Ele veio por trás de mim e me bateu com a barra de ferro na cabeça, deixando um ferimento com mais de 15 centímetros que fez com que eu perdesse sangue que ficou todo derramado na entrada de minha casa”, relatou Danilo Santos.

Antonio da Silva ainda agrediu, com a mesma barra de ferro, a mãe de Danilo, deixando uma marca nas costas da vítima. Após isso, e dentro de sua residência, Danilo e sua mãe ainda ficaram recebendo ameaças de Rafael Veloso, que estaria se identificado como advogado. As ameaças e posteriores agressões tanto de Rafael quanto de sua namorada contra o estudante foram registradas pelo seu celular e apresentadas à polícia.

Danilo Santos foi levado pela mãe ao Hospital Djalma Marques, Socorrão I, para cuidar dos ferimentos na cabeça, onde levou seis pontos, fez curativos e uma tomografia, mas não recebeu nenhum comprovante médico do seu estado de saúde. Após isso, sua mãe registrou Boletim de Ocorrência (BO) no Plantal Central de Polícia Civil nas Cajazeiras.

Os três agressores foram encaminhados até a delegacia para prestarem esclarecimentos. Lá, Rafael Veloso se apresentou como advogado, mas não apresentou documento de comprovação (OAB), segundo a polícia. Ele, a namorada e o pai dela foram liberados pelo delegado Marcelo Fernandes dos Santos por, segundo ele, os ferimentos de Danilo Santos não oferecerem risco à sua vida.

Clenilde Santos registrou um segundo BO, que na verdade seria uma edição do anterior, na Casa da Mulher Brasileira, que não intimou imediatamente o acusado para depor sobre o caso por não se enquadrar nos tipos de violência doméstica. Segundo a delegada Edmarine Chagas, apenas quando o caso é desse tipo de violência, a doméstica, que podem ser solicitadas medidas protetivas para a vítima.

“Como não se trata de um caso de violência doméstica, praticada por marido, filho ou outra pessoa do círculo familiar, teremos que marcar uma audiência para que tanto o agressor quanto a vítima sejam ouvidos e as providências possam ser tomadas. Por mais que eles morem ao lado um do outro, nenhuma medida protetiva pode ser adotada”, relatou a delegada.

Mãe e filho fizeram exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal (IML) que em até 20 dias encaminhará o resultado ao departamento de polícia que os atendeu. Em ambos os casos foram abertos Termos Circunstanciado de Ocorrência (TCO). Segundo a polícia civil, apenas na próxima segunda (22) poderá ser marcada uma audiência para a agressão sofrida pelo estudante Danilo Santos.

Robert Willian Valporto

Robert Willian Valporto é graduado em Comunicação Social - Jornalismo; em Gestão Pública; pós-graduado em Assessoria e Gestão da Comunicação; MBA em Gestão Pública; Mestrando em Comunicação.

Um comentário em “Mãe e filho sofrem agressões com barra de ferro por vizinho, em São Luís

  • janeiro 22, 2018 em 4:10 pm
    Permalink

    Preste bem atenção no que voçê posta, apure a veracidade dos fatos antes de publicar informações contraditórias e mentirosas.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *