Professores precisarão ir à justiça contra prefeita de Porto Rico

A justiça já é o próximo passo a ser dado pelos professores contra uma sequência de retirada de direitos por parte da prefeita de Porto Rico, Tatyana Mendes (PCdoB), nos últimos meses em sua gestão na cidade. Até o salário dos professores foi cortado sob argumento de redução de gasto em 20% para alguns e, para outros, até 40% dos vencimentos.

Na último dia 26 de junho, a classe se reuniu com os vereadores na Casa Legislativa municipal a fim de apresentar aos parlamentares as demandas que tinham por necessidade apoio. O grupo de professores que se fez presente naquela reunião já somam mais da metade dos concursados, professores efetivos.

Antes disso a presidente do Sindicato dos Professores da cidade tinha decidido que faria uma reunião com a comissão de professores para ouvir a demanda. Entretanto, essa reunião não aconteceu e suspeita-se que seja por determinação da prefeita da cidade, o que fez com um grupo se juntasse, mesmo sendo sindicalizados, de maneira independente pela inércia da entidade.

A prefeita, segundo os professores, já afirmou que reunirá os educadores que estiverem insatisfeitos e manifestando-se para apresentar-lhes, junto a seu contador, a impossibilidade de continuar pagando os valores corretos com abonos que lhes são de direito. Mas, até o momento isso não foi feito.

Os professores inclusive, receberam apoio e orientação de representantes do Ministério da Educação (MEC) para encontrar caminhos para a retomada de direitos que lhes foram tirados, luta que já se prolonga mais 2 meses.

Os professores ainda questionam o fato de que, se a prefeita quisesse reduzir os custos na pasta da educação, deveria reavaliar os R$ 219 mil que já foram gastos do FUNDEB somente com funcionários contratados, que não são efetivos, além de outros R$ 146 mil com cargos comissionados, segundo planilhas apresentadas pela própria Taty.

Planilha apresenta gastos da prefeitura. (Foto: Arquivo)

Assim, a comissão de professores decidiu levar a luta até a justiça e continuarão a buscar seus direitos não respeitados pela prefeita de Porto Rico.

“Já que ela queria cortar gastos na prefeitura, ela deveria começar fazendo isso reduzindo seu salário que é superior ao dos professores”, disse um dos professores.

Robert Willian Valporto

Robert W. Valporto é graduado em Comunicação Social - Jornalismo e em Gestão Pública; pós-graduado em Gestão Pública; e pós-graduado em Assessoria e Gestão da Comunicação.

Um comentário em “Professores precisarão ir à justiça contra prefeita de Porto Rico

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *