Reitora da UFMA confirma fechamento da universidade caso o contingenciamento permaneça

Na manhã desta quinta-feira (16), a reitora da UFMA, Nair Portela, revelou que o diálogo com o ministério da Educação para revogar o contingenciamento não teve conclusão satisfatória para instituição.

“A associação dos reitores já têm tido muitas reuniões com o ministro, mas as discussões não têm avançado”, afirma Nair. “O ministro anterior, que havia prometido ajudar o orçamento da UFMA, foi demitido duas semanas depois. Temos pedido à bancada federal maranhense para apoiar as pautas”.

A reitora confirmou o fechamento de todos os campus da universidade a partir do segundo semestre deste ano, caso o bloqueio não seja revogado pelo ministro da Educação, Abraham Weintraub.

“Se houver o corte, a universidade não tem condições de continuar. Nós não teremos condições de manter os alunos em aula”, declarou.

Do orçamento total da universidade, 82% é direcionado para o pagamento dos servidores, assim como benefícios e aposentadoria. Desta porcentagem, nada pode ser subtraído.

O valor contingenciado faz parte dos gastos discricionários, que são divididos entre despesas de custeio e de investimento. Das de custeio – que incluem contas de energia, água, segurança e manutenção da instituição – foram cortados R$26,9 mi da UFMA.

Os recursos de investimentos – para a compra de equipamentos, artigos laboratoriais, aquisições de livros etc. – também foram cortados. Segundo a reitora, o orçamento para 2019 nesta área era de R$3 mil. Deste valor, foi cortado mais de R$1 mi.

Além destes, foi também bloqueado parte do orçamento das agências de fomento, a Capes e CNPq. A UFMA teve um total de 27 bolsas cortadas – 21 de mestrado e 6 de doutorado.

“Isto vai prejudicar bastante o andamento dos nossos laboratórios e impedir o andamento de nossas pesquisas. (…) A produção cientifica da universidade é em todas as áreas: humanas, sociais, biológicas, de saúde e tecnológicas. Todas estão em risco”, declarou.

Ainda segundo Nair Portela, a ANDIFES (Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior no Brasil) pretende ir a Brasília na próxima semana para se reunir com a Casa Civil e do Planejamento para mostrar os dados e resultados positivos das universidades.

Fonte: O Imparcial

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *