Uma região que sinalizou para mudanças

Um artigo de Robert Willian Valporto*

As eleições de 2020 foram, e estão sendo, grandes sinalizações para o cenário político Brasil à fora. Até as eleições nos Estados Unidos foram sinal de que a mudança é a nova ordem mundial.

Falando de uma região específica, e que conheço bem, o litoral-ocidental maranhense sinalizou para o interesse da maioria dos municípios para uma mudança, seja de visão, seja de grupos políticos.

Começo a avaliação por Central do Maranhão, município de 7.887 habitantes, dos quais 6.038 eleitores votaram nessa eleição. Uma surpresa para os analistas externos, mas o prefeito da cidade, Ismael Monteiro (PCdoB), que concorria à reeleição, foi derrotado pelo candidata Fechinha (Republicanos), com 263 votos de diferença.

Em Guimarães, por sua vez, um cenário diferente dentre os demais da região. O prefeito Osvaldo Gomes (PDT) foi um dos únicos da região que conseguiu se reeleger, com 47,52% dos votos válidos, com vantagem significativa para os outros dois adversários.

Em Mirinzal, sem candidato à reeleição, levou vantagem o ex-prefeito Amaury Almeida (PP), vitorioso nas urnas. A mudança, na cidade, ficou por conta do grupo político que apoia a administração, já que os dois adversários de Amaury foram candidatos a prefeito pela primeira vez.

Porto Rico do Maranhão foi, como Central do Maranhão – até no aspecto do partido -, outra sinal de desejo por mudança. A prefeita Tatyana Mendes (PCdoB), candidata à reeleição, foi derrotada por Aldo Brown (PL), que teve preferência de 42,54% do eleitorado local.

Situação também semelhante ao que aconteceu em Cedral, onde o prefeito Jadson Passinho (DEM) teve larga derrota para o ex-prefeito Fernando Cuba (Republicanos) que venceu as eleições com 1320 votos de vantagem. Vale ressaltar que a conjuntura política de Cedral é uma espécie de ‘passe, gol, linha’ – a cada quatro anos, Cuba ou Passinho. Logo, mudança, porém, prevista.

Cururupu. Outra cidade que optou claramente pela mudança. A prefeita Prof. Rosinha (PCdoB), que concorria à reeleição, também foi derrotada, pelo candidato Aldo Lopes (PSB), que teve 1106 votos de vantagem. O município teve três candidatos, mas a prefeita ainda conseguiu ficar em segundo lugar.

Serrano do Maranhão teve duas novas candidatas – pausa para o elogio da inclusão da mulher na política. A mudança ficou por conta do grupo político que apoia a prefeita eleita, algo similar ao que aconteceu em Mirinzal, já que não houve candidato à reeleição. A vitoriosa foi Val Cunha (PL), esposa do atual prefeito de Apicum-Açu, Claudio Cunha, com ampla vantagem de mais de dois mil votos sob sua adversária.

A cidade de Bacuri foi outra a fugir desse cenário com a reeleição do seu prefeito, Dr. Washington (PSC), sub judice, com 773 votos de vantagem sob seu adversário. A cidade também teve três candidatos, para preferiu permanecer com seu atual prefeito.

Apicum-Açu optou pela mudança de grupo político no poder. O atual prefeito da cidade, que fazia campanha lá e em Serrano, para a esposa, teve seu grupo derrotado na cidade. O candidato Zequinha Ribeiro (PSC) venceu as eleições sob o empresário Jadeco, candidato do prefeito.

Por fim…

Um cenário de grande mudança em toda a região. Muito mais do que os grupos políticos que foram alterados, maioria dos prefeitos que concorreram à reeleição foram derrotados. Olhando cada caso, sobretudo com o Legislativo eleito nesses municípios, também, o povo tem dado respostas a gestos…

* Robert Willian Valporto é graduado em Jornalismo; em Gestão Pública; pós-graduado em Assessoria e Gestão da Comunicação; MBA em Gestão Pública; e Mestre em Comunicação Pública.

Robert Willian Valporto

Robert Willian Valporto é graduado em Comunicação Social - Jornalismo; em Gestão Pública; pós-graduado em Assessoria e Gestão da Comunicação; MBA em Gestão Pública; Mestrando em Comunicação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *