Sarahah: polêmico app com 300 milhões de usuários e só 3 funcionários

“Sarahah” quer dizer “honestidade” em árabe mas, nos últimos dias, ganhou um novo significado no universo das redes sociais: dá nome a um aplicativo que viralizou com a premissa de permitir enviar mensagens anônimas a terceiros.

Resultado de imagem para sarahah

Em julho, o Sarahah ficou no topo do ranking de aplicativos mais baixados na App Store, loja de aplicativos da Apple, em mais de 30 países. No último mês, a rede já reuniu mais de 300 milhões de usuários (número que soma registrados, aqueles que enviam mensagens e visitantes) – enquanto é gerenciada por uma equipe de apenas três pessoas.

No Brasil, a plataforma App Annie mostra que o aplicativo é o nono mais baixado entre aqueles que são gratuitos na App Store

Qualquer um que tenha o link do perfil de uma determinada pessoa pode enviar mensagens anônimas a ela – ou seja, não é preciso se cadastrar no aplicativo.

“Eu era bem otimista, mas determinei como meta no começo conquistar 1 mil mensagens. Mas agora, temos mais de 300 milhões de mensagens”, comemora o fundador do aplicativo, o saudita Zain al-Abidin Tawfiq, de 29 anos.

A viralização dos recados repletos de honestidade foi facilitada por uma mudança no aplicativo Snapchat, que passou a permitir o envio de links. Assim, usuários do aplicativo de mensagens instantâneas passaram a compartilhar seus perfis no Sarahah.

Embora o convite para uso do aplicativo diga “Você está pronto para a honestidade? Receba críticas construtivas dos seus amigos e colegas, em anonimato total”, Tawfiq reconhece que há usos “equivocados” da ferramenta.

Em meio a declarações de amor e revelações de homossexualidade, foram registrados também episódios de bullying e discursos de ódio.

“O uso equivocado é um desafio para todas as redes sociais. No Sarahah, acreditamos que um caso já é muito”, afirma o programador.

“Nós tomamos diversas providências. Eu não quero dar detalhes dessas medidas porque não quero facilitar a atividade de usuários que têm este tipo de conduta. Mas nós temos ferramentas como filtros e bloqueio, e muitas outras técnicas.”

 

Anúncios

Equipe AtéHoje!

Robert Willian Valporto, editor-chefe do Portal AtéHoje, é especialista em Gestão Pública e Assessoria e Gestão da Comunicação; e Graduando em Comunicação Social – Jornalismo.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: